Explorai!

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Poema - Vampírica Insanidade

 
Bela e sensual, expressava-se com calma,
Olhos abissais, causava-me pavor na alma,
Porém, acendendo em mim uma intensa chama,
Que permitia-me envolver-nos naquela cama.


Vampírica em sua gélida pele, como a morte,
Mordeu-me severamente, achei que era sorte.
Ferviam-me todo o sangue fluídos infernais,
Entorpeceram-me com dor as ondas cerebrais.


Implantou-me o vil de sua estirpe mágica,
Enquanto ria ensangüentada e teatral.
Roubei-lhe os olhares tenebrosos, somos um;
Maldição! Devia satisfazer-me apenas com rum.


Mas ousado fui ao permitir-lhe a entrada,
Em meus aposentos, três vezes fiz a chamada.
Voluptuosa de infalível taciturno deleite,
Fez-me de sua presa, nada mais que enfeite.


Em sua maldita vida de tristes maldições!
Raios! Se eu pudesse mudar minhas aptidões!
Vampírica câmara mortuária! Mate-me! Mate-me!
Gritei, em vão; Deus, por favor, perdoai-me!


Lentamente se afastara, irônica e sorridente,
Enquanto eu sofria em caos dormente e veemente.
Senti o mal alterar-me as forças corporais,
Até tornar-me verme de qualidades espectrais.


Pois a recente inoportuna vida aos montes retiro!
Se arrependimento matasse! Vampiros, frias lendas,
Por que vós, criaturas terríveis, precisam sentir?
Escuridão milenar! Urde a crueldade sobre ela!


Raiva, culpa, rancor, depressão, enfermos!
O que mais um vampiro poderia carregar consigo?
Seus beijos! Ouvia vozes, loucura incontrolável,
Porque, Deus, permitiu-me a sua aproximação?


Agora temo cruzes! Infaustas criaturas noturnas,
Que por imprudência ou ilusão não são mais diurnas.
Mas fui imprudente! Reclamar-lhes-ia eternamente,
Pois estas dores são de horror grotesco e ardente!


Preciso parar, agora, por favor, maldita, como..
Como pude eu, ha, hahaha, seus olhos, aqueles...
Terríveis olhos! Pretos, sua vibração hostil,
Penetrou-me e mostrou-me a escuridão do vil.


Mostrou-me o verdadeiro significado da luz,
E que foi a ausência da mesma que me fez,
Empolgado e feliz pronunciar três vezes,
O seu amaldiçoado nome, vampírico codinome.

Erich William von Tellerstein.