Explorai!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Poesia - As Umbras e a Arte da Psicopintura



I. As Umbras e os Umbrais


Sombras! Sombras! Sombras horríveis!
Pois estas são Umbras, seres sensíveis,
De aspecto profundamente tenebroso,
Não lacrimoso e no sangue jubiloso,
Sombras! Sombras! Sombras críveis!


Quanto aos seus Umbrais?
Assombrosos! Assombrosos! Vis!
Tal como quando julgam inocente dos mais banais,
Em excruciante tribunal com diabólico juiz,
E obtêm-se a morte como condenação dele e dos demais.


Quanto às Umbras em seus Umbrais?
Horrendas atividades! Penumbroso ofício!
O que elas empreendem em fétido negrume,
Nem a Morte a morrer contaria, como se presume,
Por aqueles amaldiçoados que a vislumbraram em seu hospício.


Trata-se da inescrutável aglomeração de nebulosa e cósmica escuridão,
A luz passa longe, longe, escravidão!
Trata-se do intratável a eternamente se tratar,
Com trevas, trevas e servidão,
Pois trata-se da inescrutável aglutinação de enevoada e assimétrica insânia em podridão.


Sombras! Sombras! Sombras horripilantes!
Pois estas são Umbras, seres infinitos,
De noturnos aspectos e sempre vigilantes,
Nada lacrimosos e muito além de malditos,
Sombras! Sombras! Sombras ambulantes!


No seu quarto, em sua alma, nos confins do inferno!
Apesar de toda a ardente iluminação,
Elas sobrevivem a tal luz sob Mal eterno,
Manifestando o que não se manifesta sem danação,
Perversão! Perversão! Mal fraterno! Mal materno!


Quanto aos seus... Umbrais?
Indizíveis! Indizíveis!
Tal como quando julgam inocente dos mais previsíveis,
Em excruciante tribunal com serpentes letais,
E obtêm-se a morte por picadas e mais picadas de dores inexprimíveis.


Quanto aos Umbrais das Umbras?
Deus! Se há um! Não se pode dizer, não!
Incalculável imensidão em imensurável expansão!
Nem a morta Morte a morrer gemeria, pois não!
Nenhum ser no Universo ousaria descrever, cão!


Terrível ser de aspecto canino-infernal é o que se interessa!
Porque a luz passa longe, longe, escravidão!
Morreria num piscar de olhos, porém, sem pressa,
Pois o que sentiria seria de quem a leitura apressa,
E tal apreço, que não tem preço, se esvairia às pressas.


Sombras! Sombras! Sombras maravilhosas!
Pois estas são lindas Umbras, seres sensíveis,
De natureza inteiramente manipuladora,
Não lacrimosa, fria e compositora,
Sombras! Sombras! Sombras majestosas!


Horror! Horror! Incomensurável Horror!
O terror de tal assombroso Horror é...
Palavras já não me restam mais, nem dor,
Para descrever o que se vê nos Umbrais,
Do Universo, do Ser, dos sonhos, do amor.


II. Psicopintura


Contemplai! Pois segue a descrição,
Do ofício das Umbras em sua escuridão.
Eu sou o Ser banido do Universo,
Que ousa descrever tal arte com exatidão,
Inserindo vossa alma em todo o Multiverso.


As mesmas se instalam na mente do depressivo,
Do perverso, do imaginativo e do sem adjetivo.
Trazem a sua natureza através da Arte para o nosso plano,
Pelo inconsciente do convicto artista insano,
A fim de perpetuar a Treva primordial e imortal.


Psicopintura é um termo adequado para tal fardo,
Que carrega consigo o pintor ou o compositor.
Pois da psique vem as umbrosas informações; e pensamentos servem de condutor,
Para o imaterial fluído abissal que deságua no felizardo,
Instruindo seus membros na pintura e no tocar.


Eis a instrução para vós vos tornastes Umbras,
Seres que inspiram artistas e a própria Arte,
Seja aqui, no inferno, noutra galáxia ou em Marte,
Seres que respiram e expiram Penumbras,
Que maravilham e amaldiçoam em vil estandarte.


Esquecei vossa humana e material natureza,
E mergulhai nos prazeres do Cosmo.
Manifestai vosso inconsciente com destreza,
Uni o Microcosmo com o Macrocosmo,
Para ter do Nada e do Todo a dourada beleza.


Contemplai a mais antiga de todas as técnicas,
A técnica da vida, a técnica da criação.
Dai o sopro da Vida ao morto e terrível,
E então, terá compreendido a condenação,
Que é habitar os Umbrais das Umbras em combinação.


Psiconauta é um termo igualmente apropriado,
Para definir aquele que do Deus e do Diabo é afiliado.
Pois o mesmo navega nos diferentes estados de consciência,
A fim de contemplar o Universo em sua magnificência,
Em seus diferentes níveis de cósmica expansão.


Horror! Horror! Incomensurável Horror!
O terror de tal assombroso Horror é...
A Psicopintura das Umbras em seus Umbrais,
Deixo à vós a amaldiçoada descrição,
Do Universo, do Ser, dos sonhos e do amor.


Sombras! Sombras! Sombras horríveis!
Pois estas são Umbras, seres sensíveis,
De aspecto profundamente tenebroso,
Não lacrimoso e no sangue jubiloso,
Sombras! Sombras! Sombras visíveis!


Sombras! Sombras! Sombras horripilantes!
Pois estas são Umbras, seres infinitos,
De noturnos aspectos e sempre vigilantes,
Nada lacrimosos e muito além de malditos,
Sombras! Sombras! Sombras ambulantes!


Sombras! Sombras! Sombras maravilhosas!
Pois estas são lindas Umbras, seres sensíveis,
De natureza inteiramente manipuladora,
Não lacrimosa, fria e criadora,
Umbras! Somos nós, humanos de mentes infecciosas.

Nenhum comentário: