Explorai!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Poesia - A Dança dos Mortos



Enquanto há vida há a possibilidade,
Dum Vivo ser convidado à grande dança,
Cuja expressão pertence à Sem-Idade:
Onírica beleza que pelo viver avança.


Sábia e magistral afina seu violino;
A saber, todo feito de ossos humanos,
Que em oposição aos do nobre felino,
São presos à matéria; vêm de mundanos.


A harmonia produzida pelos vis sons,
Combinados com uma destreza abissal,
Encanta e organiza seres maus e bons,
Numa única dança de fervor colossal.


A fim de estabelecer um lindo padrão,
Responsável por dar início aos mortos,
Que formam belos um grande esquadrão,
De ossos que dançam febris e absortos.


Eis o resultado da longa peste negra,
Carregada por alegres negros ratos.
Que valsou por toda Europa sem regra,
Trazendo a dança das ruas aos pratos.


Voilà! Dançai o clero e lindas rainhas,
A burguesia, reis e os há muito pobres;
Sorrindo pra Morte com suas valsinhas,
Morrendo sem ouro e outras cousas nobres.

Erich William von Tellerstein

Nenhum comentário: