Explorai!

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Poesia e Matéria - De Umbrarum Regni Novem Portis

I - Silentium Est Aureum

O silêncio vale ouro, certas coisas não devem ser ditas, contadas, não chegarás ao grandioso castelo caso as conte.


II - Clausae Patent


Abrirás aquilo que estiver fechado, pois com o vosso valiosíssimo silêncio poderás encontrar a chave correta, mesmo que tenhas a impressão de que corre perigo.

III - Verbum Dimissum Custodiat Arcanum


Mantenha-se firme e atento em vossa jornada, mesmo que pareça que os céus conspirem contra vossa pessoa, que pareça que o perigo se amplifique cada vez mais, pois a palavra perdida guarda o segredo.

IV - Fortuna Non Omnibus Aeque

O destino não é o mesmo para todos, nem todos aqueles que compreendem que o silêncio vale ouro e que a a palavra perdida guarda o segredo, terão destinos iguais. Nem todos que abrirem a porta fechada do labirinto chegarão à saída.

V - Frustra


Os de destino desafortunado contarão vossa recompensa em vão, pois a morte estará com uma ampulheta ao seu lado contando o tempo constantemente.

VI - Ditesco Mori

Estes terão plena consciência de que são enriquecidos com a morte, e por tanto mesmo assim não termerão pelo seu destino em nenhum momento.

VII - Discipulus Potior Magistro


O discipulo supera o mestre, à esta altura já transcendera a luz e as trevas, o dia e a noite, compreende que não existe diferença entre o alto e o baixo, entre o rei e o camponês, compreende a dualidade.

VIII - Victa Iacet Virtus

Virtude encontra-se derrotada, transcendera a luz e as trevas e por tanto não existe mais o divino e o não-divino, a virtude e o pecado, então assim o medo não te preenche mais.

IX - Nunc Scio Tenebris Lux


Compreendi as nove portas para o reino das sombras! Agora eu sei que as trevas vem da luz! Agora minha alma encontra-se livre!

Explicação:



Essa é a minha interpretação de maneira poética sobre as 9 gravuras contidas no livro fictício "De Umbrarum Regni Novem Portis" do filme O Último Portal (The Ninth Gate) de Roman Polanski. (Filme que foi baseado no livro The Club Dumas de Arturo Perez Reverte)

Para mim elas possuem um grande e valioso significado e por este motivo eu coloquei a minha interpretação sobre elas aqui, espero que vocês gostem! (Mesmo que não conheçam o filme).




Atenção! O livro aqui no Brasil possui outra capa, não a coloquei porque não encontrei uma com qualidade decente e apropriada. (Recomendo extremamente essa leitura!)

5 comentários:

Raquel disse...

Eu vi o filme, achei muuuuito bom, adorei tbm a forma como vc interpreta cada figura do livro (portal).

Você está de parabéns!!!

Countess Raquel

INDIE disse...

As gravuras não correspondem às originais do livro. Essas são as do filme... Na minha opinião, as do livro têm um significado mais profundo.

INDIE disse...

Corrigindo: a gravura II e a VIII não são idênticas. Em relação à última, a "verdadeira" não está representada graficamente no livro do Clube Dumas, apenas só aparece descrita por palavras. Mas pode ser a minha edição!

Cláudio Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cláudio Silva disse...

A interpretação da 5a xilografia de Torchia é justamente ao contrário. A morte com o dorso direito despido, relembra ritos iniciáticos maçônicos, confirmado pelo mosaico e pela pedra chave do rito da Marca sob a porta. Atente-se que a porta do salão está invertida em seu sentido de abertura... Além disto, as palavras hebraicas e o teto, referenciam shemots que dão informações bastante associadas ao quadro abaixo. A xilografia é também uma chave de riqueza.